Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

11 Maio de 2020 | 09h21 - Actualizado em 11 Maio de 2020 | 09h20

Crise é oportunidade para redesenhar economia africana, diz Ecobank

Lomé - O presidente do banco africano Ecobank, Ade Ayeyemi, disse hoje, em entrevista à Lusa, que a pandemia da covid-19 é uma crise de saúde e não financeira, e pode ser uma boa oportunidade para redesenhar a economia africana.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Mapa do Continente Africano, Berço da Humanidade

Foto: Divulgação

"A recuperação rápida das nossas economias depende das escolhas políticas que fizermos, porque esta é uma crise sanitária e não financeira, e para os países africanos é uma oportunidade de fazer as escolhas correctas e redesenhar a estrutura da economia africana", disse Ade Ayeyemi.

Em entrevista à Lusa a partir de Lomé, a capital do Togo, o banqueiro explicou que "a adopção da tecnologia que começou em África na última década é um bom exemplo das mudanças que precisam de ser feitas, e agora podemos acelerar a adopção de tecnologia, (a pandemia e as medidas de isolamento) serão um grande acelerador".

Para Ade Ayeyemi, a crise trazida pela pandemia veio também mostrar a necessidade de investir em cuidados de saúde que possam ser disponibilizados a quem mais precisa e não apenas às elites africanas.

"Esta crise mostrou à elite que podem ter passaportes, podem ter bilhetes de avião, mas os aviões não voam e os outros países não os recebem, é preciso investir em infra-estruturas que estejam próximas dos pontos de necessidade dos cidadãos", defendeu.

Questionado sobre se os países africanos estão a organizar-se bem na resposta à pandemia, nomeadamente com a dificuldade em implementar medidas de confinamento que prejudiquem o rendimento dos cidadãos, Ayeyemi respondeu: "Alguns são mais organizados que outros, uns começaram mais cedo, mas todos chegaram ao mesmo resultado e todos estão a implementar essas medidas; a organização é melhor do que dantes, mas ainda não tanto como eu gostaria".

Na opinião do presidente do Ecobank, um banco africano presente em 36 países no continente, a crise vai mudar a maneira não só de fazer negócios, mas também de interacção entre as pessoas.

"A adopção da tecnologia será determinante, para esta entrevista nós teríamos de concordar onde íamos encontrar-nos, ou nos Encontros Anuais do FMI/Banco Mundial, ou num fórum para investidores em Londres, mas agora descobrimos que podemos fazer uma reunião sem realmente viajar, e por isso também podemos ter interacções com clientes e fornecedores, haverá um novo modelo de negócio e uma nova maneira de o mundo se relacionar com a tecnologia", concluiu Ade Ayeyemi.

Assuntos Economia   Togo  

Leia também